Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Thought Catalog Headshot

Nem sempre ficamos com o grande amor de nossas vidas (e tudo bem)

Publicado: Atualizado:
ATHENA IMAGE
Imprimir

Este post é oferecido pela Thought Catalog e a Quote Catalog.

*Por Heidi Priebe, autora de The First New Universe

Acredito em um grande amor.

Falo e paquero como se não acreditasse.

Não tenho expectativas frívolas de amor romântico. Não imagino que eu vá me apaixonar perdidamente por alguém. Sou uma daquelas pessoas raras, possivelmente um pouco cínicas devido à experiência vivida, que de fato curte a cultura dos encontros sexuais casuais e gosta de viver em uma época em que a monogamia não é necessariamente a regra generalizada.

Mas acredito no grande amor, porque já tive isso.

Já tive aquele amor imenso. O amor que consome tudo. O amor do tipo "não acredito que isto existe na esfera física deste planeta".

O tipo de amor que explode em um fogo incontrolável, depois vira brasas ardentes e continua a arder quentinho e confortável por anos. O tipo de amor sobre o qual se escrevem romances e compõem sinfonias. O tipo de amor que lhe ensina mais do que você jamais pensou que pudesse aprender e lhe devolve infinitamente mais do que tira de você.

É o amor do tipo "o grande amor de sua vida".

E acredita em mim, esse amor funciona assim:

Se você tem sorte, você conhece o amor de sua vida. Você tem a chance de ficar com ele, aprender com ele, entregar-se inteiramente a ele e deixar que sua influência o transforme de maneiras insondáveis. É uma experiência diferente de qualquer outra coisa que podemos ter neste mundo.

Mas o que os contos de fadas não nos dizem é o seguinte: às vezes conhecemos o amor de nossa vida, mas não podemos ficar com ele.

Não podemos nos casar com a pessoa, passar nossa vida ao seu lado, segurar sua mão no seu leito de morte depois de uma vida vivida bem e vivida juntos.

Nem sempre conseguimos ficar com o amor de nossa vida, porque, no mundo real, o amor não conquista tudo. Ele não resolve diferenças irreparáveis, não triunfa sobre doenças, não lança uma ponte sobre divergências religiosas e não nos salva de nós mesmos quando nos corrompemos.

Nem sempre conseguimos ficar com o amor de nossa vida, porque às vezes o amor não é tudo que existe.

Às vezes você quer uma casinha no campo com três filhos e ele quer uma vida profissional agitada na cidade. Às vezes você tem um mundão inteiro para explorar e ele tem medo de sair de seu próprio quintal. Às vezes você tem sonhos maiores que os de seu amor.

Às vezes a coisa mais generosa e amorosa que você pode fazer é deixar seu amor ir embora.

Outras vezes, você não tem escolha.

Mas há outra coisa que as pessoas não lhe dizem sobre encontrar o grande amor de sua vida: o fato de você não passar o resto de sua vida com essa pessoa não diminui a importância dela.

Algumas pessoas você pode amar mais em um ano do que poderia amar outras pessoas em 50 anos. Algumas pessoas podem lhe ensinar mais em um único dia que outras poderiam lhe ensinar durante uma vida inteira.

Algumas pessoas entram em nossa vida apenas por um período específico, mas têm um impacto que ninguém mais jamais poderá igualar ou substituir.

E como podemos deixar de chamar essas pessoas de qualquer outra coisa senão o grande amor de nossa vida?

Quem somos nós para minimizar sua importância, reescrever suas memórias, alterar as maneiras em que elas nos mudaram para melhor, apenas porque acabamos seguindo caminhos diferentes?

Quem somos nós para decidir que precisamos a todo custo substituí-las - encontrar um amor maior, melhor, mais forte, mais apaixonado que possamos agarrar por toda a vida?

Quem sabe devemos simplesmente sentir gratidão por termos podido conhecer essa pessoa, em primeiro lugar.

Por ter tido a oportunidade de amá-la. Ter podido aprender com ela. Porque nossas vidas puderam crescer e florescer porque a conhecemos.

Conhecer o grande amor de sua vida e deixá-lo ir embora não precisa ser a maior tragédia de sua vida.

Se você permitir, pode ser sua maior bênção.

Afinal, algumas pessoas nunca chegam a conhecer seu grande amor.

Procure aqui seu exemplar da primeira coletânea de poemas de Heidi Priebe, The First New Universe.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Somos a geração que não quer relacionamentos

- O amor verdadeiro vai muito além dos contos de fadas

Também no HuffPost Brasil:

Close
10 medos que matam os relacionamentos
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual