Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Tulio Custódio  Headshot

'Você foi avaliado': Olhando além de paranóias geradas por 'Black Mirror'

Publicado: Atualizado:
BLACK MIRROR
Divulgação
Imprimir

ATENÇÃO: ESTE TEXTO PODE CONTER SPOILERS DE 'BLACK MIRROR'

O seriado Black Mirror, de origem inglesa tem o dom de nos causar pauras e consternações. De uma qualidade roteirística primorosa (alguns capítulos melhores do que outros, mas vá lá...), ele nos proporciona de antemão aquela sensação que parece o misto perfeito da contemporaneidade consumidora de conteúdos: picos de sensacionalismo, com situações e cenas de tirar fôlego e de explodir a imaginação, e que fazem você pensar, porque, invariavelmente se conecta com algo bem verossímil. E o que é? Tecnologia? Na verdade, não. É sobre nós mesmos.

A tecnologia no seriado é colocada como uma espécie de condutor futurístico (mas bem presenteísta) de possibilidades e formas de como as pessoas interagem, e isso, sem dúvida, dando suporte ao que melhor e o que pior há nas pessoas.

Sim, humaninhos. Aquela máquina entre o objeto tecnológico e a cadeira/chão/etc. Os humanos e seus comportamentos carregados de questões (inseguranças, medos, vontades, paixões, etc -- aquele prato cheio que a Ética -- ou a Filosofia da Moral -- vem trabalhando há alguns bons 2 mil anos, e voilà, sempre dá o que falar...) são um motivo bastante consistente para, potencializados pelos chipzinhos implantados, máquinas de duplicação da consciência, lentes-máquina nos olhos e aquele (maldito) controlinho, ser fonte de maiores medos.

Os mais esquemáticos -- quase reacionários, de alguma maneira --  apelam: "a tecnologia está nos matando"; "olha só: está afastando os seres humanos, de nós mesmos, em um nível doentio". Qualquer um que tiver um olhar um pouco mais apurado, de maneira histórica, sabe que isso é besteira. Basta pensar que a cultura da desatenção (um dos maiores pontos da crítica que se faz aos devices e redes sociais) não é novidade ou criação pura das internet e telefones inteligentes: ela é parte da relação que se construiu historicamente entre informação e a relação com a informação enquanto objeto-de-consumo. Está lá trás: nos folhetins do final do século XIX, nos jornais, depois na indústria cultural de massa (com rádios, TVs).

Outra crítica -- também infundada em historicidade -- é da individualização dos processos de consumo de informação (e consequente formação da bolhas; porque, deveras, as pessoas estão mais egoístas a o que desejam consumir).

Bom, sobre isso 'duas linhas' bastam: a cultura digital (e consequentemente com possibilidades de maior controle -- vendido como "escolha") está lá trás, no VHS, nos primeiros modelos de walkman, e, de certa maneira, até na TV a Cabo. Em suma: não é culpa do iPhone ou do Youtube.

A bolha existe, claro, mas ela é resultado de um processo de objetificação acentuada dos padrões de consumo de informação, nutridos em um tempo histórico no qual o exercício da individualidade (ainda que limitada em sua esfera de libertação -- valeu Marcuse ❤ ) se mostra como essencial para sua realização (ou, expressão ativa da representação social do indivíduo, aquele que É ou PODE SER autônomo, livre, empoderado).

A objetificação de critérios como "relevância", "interesse" e "afinidades eletivas" [só lembro do Weber falando disso, quando abordava sobre desencantamento do mundo a partir da ascese do "Espírito" do Capitalismo] me parecem mais fundamentais para lidar com a manifestação das bolhas e filtros presentes na relação indivíduo-interação de consumo de informação nas tecnologias presentes. Mas como disse: duas linhas.

Não é sobre isso que é esse texto bagunçado.

O seriado Black Mirror (a partir de agora abreviarei por BM) me chamou a tenção para trazer a baila outros pontos. Esse lugar sofisticado de meio, entre ser um conteúdo que gera altas doses de sensacionalismo (estímulo intenso e súbito) e ser um conteúdo que deixa as pessoas pensando, nos dá margem para trazer algumas questões pertinentemente colocadas por algumas áreas de conhecimento, e, sem dúvida, fazer uma defesa (mesmo que tosca) da valia que elas possuem para formação de indivíduos na contemporaneidade. A escolhida aqui é sociologia -- mas poderiam ser outras.

Muitas pessoas se espantam em como alguns fatos do seriado são tão... possíveis de acontecer. De fato, e superando a camada do "ah meu deus a tecnologia...", o que torna veementemente forte e verossímil são os comportamentos e decisões humanas, altamente "críveis" em termos do que poderíamos ter hoje, no agora, mesmo com tecnologias não tão desenvolvidas para. O que gera espanto, portanto, tem a ver com a forma com a qual interagimos com pessoas e situações (que envolvem pessoas), e como, por meio das máquinas, damos vazão a emoções e crenças (valores) que parecem deveras arcaicos ou contraditórios acerca do que dizemos desejar sobre "um mundo ideal".

O primeiro episódio da terceira temporada, chamado "Nosedive", é um exemplo disso. Trabalhando com a noção de "reputação", o episódio nos leva ao nervosismo por ver a figura principal se desdobrar de maneira bastante insistente (obsessiva seria um bom termo aqui) para ter a nota que lhe traria ganhos. Ganhos, esses, materiais mas também de "alma": sua percepção do que é bom e de ser aceita tinha respaldo em um sistema de notas que categorizava a sociedade ali retratada. Tudo isso via aplicativo, muito parecido com um Instagram, pelo qual se avalia pessoas, seja na interação mais banal, a pessoas que se aspira ou mesmo possui repulsa (à distância).

Ora, um dos sentimentos de incômodo vem pelo fato de que uma série de relações -- em especial na chamada "economia colaborativa" -- já são baseadas em uma comunidade que interage, se avalia e se regula pela reputação. Apps de táxi, caronas, hospedagem, delivery de comida, etc etc. O termo "comunidade" nesses espaços não é utilizado à toa: conforma um grupo de pessoas que estariam integradas e interagindo a partir de um sistema de trocas e regras, reguladas dentro da mesma comunidade. Se você compartilha daquilo e busca benefícios, participe. Ok.

Mas as regras de avaliação falam muito mais sobre a sociedade do que a superfície das estrelinhas preenchidas nos diz ali. Primeiro, pelo valor que disposições e intenções morais (base de interações) possuem como base para preenchimento dos rankings e avaliações. Não se trata de uma lógica de consumo strictu sensu (impessoal, fria, imparcial) e sim de um preenchimento de sentidos da relação sujeito-objeto que aprofunda relações opressoras já presentes na sociedade, que não desaparecem com a mudança do sistema de trocas (leia-se dinheiro).

A atual (e concreta) economia colaborativa nos mostra isso no dia-a-dia. No seriado, apesar de ter ficado "de fora" da abordagem mais direta, é perceptível e explícito quem são os seres de low rate: pobres, negros, latinos, pessoas que, na concretude da realidade que enxergamos e conhecemos fora das lentes da ficção, ocupam os bordões da marginalidade social e política, com reais "notas baixas" em termos de visibilidade e representação.

Não levar em conta a bagagem de estereótipos e preconceitos que embasam as sociedades industriais avançadas ocidentais -- como racismo, classismo e sexismo -- ao se considerar como as pessoas avaliam é no mínimo ingênuo (ou de pretenso mau caratismo, para emprestar célebre expressão de Guerreiro Ramos: "é inocência ou má fé"). Portanto, se "reputação" (como fundamento das interações) não está baseada apenas no sentido do serviço, do uso, logo não é de todo informal e imparcial seu sentido de existência. E é nesse sentido que o preenchimento de sentidos da relação sujeito-objeto se coloca.

O preenchimento se dá por relações estabelecidas pela troca, e não pelo sentido de uso, que damos aos objetos, e isso, sabemos, fora nos informado historicamente pelo capitalismo (que está ali dentro e fora, material e simbólico, de todos nós). Ele é um capital, ou seja, possui valor de troca, calcado em uma noção acoplada de uso, e como capital pode ser trocado, acumulado e, a partir de sua produção e distribuição, gerar (extrapolar fronteiras) lugares, status e desigualdades a partir das posses e apropriações que tal capital possibilita.

Consumo? É a interface simbólica de "sentido de uso", mas que dá forma para a troca que se estabelece. E desse sistema -- e com suas regras internas -- podemos categoriza e classificar indivíduos em posições, e dessas posições estabelecer parâmetros de possibilidades e escolhas, bem como construir mecanismos de reprodução desses lugares que envolvem, entre outros, discursos que naturalizam práticas e percepções do lugar no qual cada um desses indivíduos usufrui (ou pena) dos capitais que dispõem. Isso rola com dinheiro, não? Pois sim... Com o sistema de avaliações do seriado também.

Se pegarmos essa noção de "reputação", que dá base ao sistema de avaliações no app do seriado, e levarmos em conta não os sentimentos manifestos ou a jornada trágica da protagonista ali representada, mas a forma como as interações entre as pessoas se dá, e como elas estão colocadas e representadas, por seus "lugares" sociais, bem como benefícios e prejuízos decorrentes dessas posições. Ou seja, "reputação" ali serve e configura estruturas simbólicas (sociais e de acesso) e também material, concretas, como carro que ela pode alugar, possibilidade de se manter em um trabalho, ou, um dos focos dramáticos do enredo, alugar um imóvel.
Assim, não "é tipo dinheiro". É dinheiro, por que é valor. Valor de troca. E é nesse sentido que o preenchimento de sentidos de relação se dá. Legal... Possibilidades para pensarmos além de como algumas ideias e conceitos aparecem para nós.

Sei que daria (ou deveria) escrever muito mais sobre isso. Porém, o que importa para mim é que tudo isso me fez refletir o quanto estamos andando para trás ao cogitar que áreas de conhecimento como Sociologia, Filosofia ou mesmo Artes estão cada vez mais perdendo terreno no hall das disciplinas de formação básicas dos cidadãos, perdendo terreno para uma agenda "estupiditizada" que não enxergar que existe conhecimento apenas com formação de referências e vivências amplas, e não apenas com tool-learning. Que seriados como BM não são objetos de puro entretenimento, e que poderíamos dar novos sentidos de apreensão para o "deixar pensando" que esse conteúdo possibilita.

Mas isso é assunto para outro texto. Esse aqui já estava fazendo "aniversário para sair da minha caixa de draft", então vai...

PS: Acho que esse texto se junta de algum modo com outras "bobeiras" que disse nesse texto aqui, sobre controle. Enfim, não é primeira vez que Black Mirror me faz querer escrever...

LEIA MAIS:

- Ser homem e negro é um rascunho inconcluso e constante

- Amarras das letras: das críticas ao academicismo da militância

Também no HuffPost Brasil:

Close
Artista cria versão negra para personagens de séries clássicas de TV
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual